Alterar Região
Tenha seu próprio negócio na internet em parceria com a empresa líder em diretórios regionais no Brasil.
Torne-se um franqueado do Portal O Melhor do bairro e obtenha ótimos ganhos gerenciando este website.
Categorias

História - O melhor do bairro de Toda Cidade, Belford Roxo, RJ

          

 

História de Belford Roxo / RJ

O atual território de Belford Roxo era habitado anteriormente pelos índios Jacutingas. Essas terras foram mapeadas pela primeira vez em um mapa elaborado pelo cripto judeu João Teixeira Albernaz, o moço em 1666 entre os rios "Merith, Simpuiy e Agoassu."

Alguns anos após a expulsão dos franceses, o Governador do Rio de Janeiro Cristóvão de Barros concede ao Capitão Belchior de Azeredo uma sesmaria às margens do rio Sarapuí, na antiga aldeia dos índios Jacutingas. Neste local, ele funda o Engenho de Santo Antônio de Jacutinga - atual município de Belford Roxo - e uma ermida para Santo Antônio é construída na encosta de uma colina a 750 metros da margem do Rio Sarapuí, próximo ao local estabelecido para atividades portuárias.

No limiar do século XVII, o Engenho de Santo Antônio de Jacutinga é desmembrado, surgindo, então, o Engenho Maxambomba (Nova Iguaçu) e Engenho do Poce (da Posse). No século XVIII um novo desmembramento (desta vez nas terras do Engenho do Maxambomba) faz surgir o Engenho Caxoeira (Mesquita), em terras que pertenceram ao Governador do Rio de Janeiro Salvador Correia de Sá e Benevides. Por mais de duzentos anos as terras mentiveram-se, por sucessão hereditária, sob o controle dos herdeiros de Salvador Correia de Sá e Benevides, família Correia Vasques.

 

Em meados do mesmo século XVIII, as terras do Engenho Santo Antônio voltam a ser desmembradas para formação de novos Engenhos: do Brejo e do Sarapuí. E no mesmo período as terras do Engenho Maxambomba foram desmembradas para formação do Engenho do Madureira (Bairro de Nova Iguaçu). 

 

Em 1767, em uma carta topográfica da capitania do Rio de Janeiro, feita por Manuel Vieira Leão, aparece claramente nesta região o Engenho do Brejo. O seu primeiro ocupante foi Cristóvão Mendes Leitão em 1739. 

 

A Baixada Fluminense é cortada pelo rio Sarapuí e é cercada por pântanos e brejais. Possuía em sua margem um porto para escoamento da produção: açúcar, arroz, feijão, milho, e aguardente.

Após uma sucessão de proprietários, em 1815, o Padre Miguel Arcanjo Leitão, que era proprietário das terras, em apenas um ano, vendeu-as ao primeiro Visconde de Barbacena, Felisberto Caldeira Brant de Oliveira e Horta, futuro Marquês de Barbacena.

Em 1843, Pedro Caldeira Brant, o Conde de Iguaçu - filho do primeiro visconde e marquês de Barbacena - assume a fazenda após o falecimento do pai, que ocorreu na cidade do Rio de Janeiro no dia 13 de julho de 1842.

Em 1851, a família Caldeira Brant vende a sua fazenda para o comendador Manuel José Coelho da Rocha.

Na segunda metade do século XIX a fazenda entrou em decadência devido a um surto de epidemias. O assentamento dos trilhos para a passagem da estrada de ferro Rio d"Ouro cortando a fazenda do Brejo em 1872, em terras doadas pelos descendentes de Coelho da Rocha, deram início a um movimento de reivindicação para transformá-la em linha de trem de passageiros, pois anteriormente esta ferrovia foi construída para a captação de água nas serras do Tinguá, Rio d"Ouro e São Pedro, com colocação de aquedutos ao longo de sua margem.

 

O "milagre das águas"

Em 1888, uma grande estiagem arrasa com a Baixada Fluminense. A Côrte também ficou sem água e Dom Pedro II ficou preocupado. A proposta que agradou a Dom Pedro II foi a do engenheiro Paulo de Frontin. Na proposta, o engenheiro se comprometia à captar 15 milhões de litros de água para a Côrte em apenas seis dias. Ele conseguiu e esse fato ficou conhecido como "milagre das águas".

O engenheiro Paulo de Frontin tinha um grande amigo e colaborador, um outro engenheiro maranhense que muito trabalhou a serviço dessas obras de abastecimento de água para o Rio de Janeiro, que se chamava Raimundo Teixeira Belfort Roxo , e que um ano depois veio a falecer. O Brejo, uma pequena vila depois de se chamar de Ipueras, Calhamaço Brejo, passa a chamar-se Belford Roxo, em homenagem a esse ilustre engenheiro.

 

Emancipação

Durante boa parte do Século XX o município era distrito do município de Nova Iguaçu. No dia 3 de abril de 1990 a Lei Estadual no 1.640 foi aprovada, sendo assim, Belford Roxo foi desmembrada de Nova Iguaçu. O município de Belford Roxo foi instalado em 1 de janeiro de 1993 e seu primeiro prefeito foi Jorge Júlio da Costa dos Santos, o "Joca". 

 

Turismo Cultural

Vila Olímpica

Localização: Nova Piam.

 

Bica da Mulata

Bica fundida no tempo do Império, é uma estátua de ferro com traços renascentistas. Marcou o início da água potável no Município e simboliza a deusa das águas.

Localização: Praça Getúlio Vargas, Centro.

 

Fonte Rosa
Localização: Bairro Santa Maria. 

 

Monumento à Bíblia

Localização: Praça Getúlio Vargas, Centro.

 

Praça Mario pereira Guedes
Praça com quiosques, teatro de arena, coreto, pista de skate e parque de diversão.
Localização: Parque São Vicente.

 

Igreja de Nossa Senhora da Conceição

Construção da década de 50 é patrimônio de Belford Roxo. Localiza-se no alto da torre da igreja, em céu aberto.

Localização: Rua Benjamin Pinto Dias, s/nº, Centro.

 

Indicadores

IDH: 0,742 (RJ: 59º) - médio PNUD/2000
PIB: R$ 2.989.323 mil (BR: 99º) - IBGE/2005
PIB per capita: R$ 6.219,00 IBGE/2005

 

População

Belford Roxo é um município brasileiro do estado do Rio de Janeiro. Localiza-se a 22º45"51" de latitude sul e 43º23"58" de longitude oeste, a uma altitude de 18 metros. A população estimada para 2008 foi de 495.694 habitantes.

Gentílico: belforroxense.

 

Área Geográfica

Clima:
Seu clima é tropical com temperatura média de 22°C. A menor temperatura registrada na cidade foi 6ºC em julho de 2000, e a maior de 41°C.

Vegetação:
Sua vegetação era formada por brejos como em toda a Baixada Fluminense.

 

Formação Administrativa

Distrito criado com a denominação de Belford Roxo, pelo decreto estadual n.º 641, de 1512- 1938, subordinado ao município de Nova Iguaçu. 

No quadro fixado para vigorar no período 1939-1943, o distrito de Belford Roxo figura no município de Nova Iguaçu.

Pelo decreto-lei estadual nº.1055, de 31-12-1943, confirmado pelo de nº 1056, da mesma data o distrito de Belford Roxo perdeu parte do território, desmembrado para constituir o novo município de Duque de Caxias e anexada ao distrito de Imbariê, do mesmo município de Duque de Caxias.

No quadro fixado pelo referido decreto-lei 1056, para vigorar no período de 1944-1948, o distrito de Belford Roxo permanece no Município de Nova Iguaçu.

Em divisão territorial datada de I-VII-1960, o distrito de Belford Roxo permanece no município de Nova Iguaçu.

Assim permanecendo em divisão territorial datada de I-VII-1983.

Elevado à categoria de município com denominação de Belford Roxo, pela lei estadual n º 1640, de 03-04-1990, desmembrado de Nova Iguaçu. Sede no antigo distrito de Belford Roxo. Constituído do distrito sede. Instalado em 01-01-1993.

Em "Síntese" de 31-Xll-1994, o município é constituído do distrito sede.

Assim permanecendo em divisão territorial datada de 2007.

 

Fonte: www.wikipedia.org.br