Alterar Região
Categorias

Notícias em O melhor do bairro de Centro, Conselheiro Lafaiete, MG

quarta-feira, 17 de dezembro de 2014
Lafaietense tem até 31 de dezembro para reclamar de iluminação pública com Cemig

Durante reunião na última sexta-feira 12 de dezembro, na sede da Amalpa, a Cemig realizou o repasse oficial dos ativos da iluminação publica, para o Consórcio de Administração do Serviço de Iluminação Pública. O Casip, formado por nove municípios, entre eles Conselheiro Lafaiete, foi criado com objetivo de melhor gerenciamento dos serviços, que por determinação da Aneel – Agência Nacional de Energia Elétrica as prefeitura terão que assumir a partir de 1º de janeiro de 2015 em todo o país.

poste lampadaNo encontro a Cemig informou que as reclamações que chegarem à empresa até o dia 31 de dezembro próximo serão recuperadas pela companhia. Por isso, é importante a participação da comunidade, no sentido de protocolar junto à empresa os problemas existentes em Conselheiro Lafaiete, no que tange á iluminação pública, como lâmpada queimada ou problema em algum poste. “Vamos assumir os serviços a partir de janeiro. Até lá, a Cemig é responsável pelos reparos. É importantíssimo que cada morador nos ajude a fazer esta relação de problemas a serem solucionados pela Cemig. Basta ligar e informar em qual endereço está o problema. Mas, isto tem que ser feito até o dia 31 de dezembro”, alerta o prefeito de Lafaiete, Ivar de Almeida Cerqueira Neto (PSB).

O registro dos problemas com a iluminação pública deve ser feita impreterivelmente até o dia 31 de dezembro de 2014. Basta ligar para o telefone 116 e informar o endereço. A ligação é gratuita. O registro pode ser feito também na ouvidoria municipal, pelo telefone 3769-2585 ou pessoalmente à praça Barão de Queluz, 11 sala 10, de segunda a sexta-feira de 8 às 17h.

Fonte: Fato Real

terça-feira, 16 de dezembro de 2014
Coral se apresenta na Casa do Papai Noel em Lafaiete
 

DSC_1671

Casa do Papai Noel já está aberta para visitação pública em Conselheiro Lafaiete. A casa é um espaço de visitação gratuita e está montada no Solar do Barão de Suaçuí. As pessoas podem ir visitá-la até o dia 23 das 17 às 21h. Podem também aproveitar a oportunidade para conhecer a exposição das alunas formadas nos diversos cursos que a Casa do Artesanato promoveu durante este ano. Enquanto a Casa do Papai Noel permanecer de portas abertas, haverá apresentações culturais no Solar do Barão de Suaçuí, sempre às 20 horas. Nesta terça-feira, dia 16 de dezembro,  haverá Concerto de Natal com o Madrigal Roda Viva, de Lafaiete.

Solar

DSC_1608

Para satisfazer a curiosidade geral sobre o resultado final do trabalho de restauração, algumas salas do solar tiveram o acesso liberado ao público, mas a entrega do espaço inteiro à população depende da completa montagem dos diversos ambientes, o que deve acontecer até fevereiro ou março próximos. Também foram retirados os tapumes que cobriam a frente do solar durante a obra.  O solar, que agora abriga a Casa do Papai Noel, fica na rua Barão de Suassuí.

Fonte: Fato Real

 

segunda-feira, 15 de dezembro de 2014
Vale Manganês pode fechar unidade em Conselheiro Lafaiete

vale

Depois de anunciado para este mês o fechamento da fábrica de alumínio primário da multinacional Novelis em Ouro Preto, na Região Central de Minas Gerais, com as demissões de 350 trabalhadores, os metalúrgicos da cidade histórica temem o fechamento da unidade industrial da mineradora Vale produtora de ferro-silício-manganês, que emprega 150 pessoas. A paralisação das operações da Vale Manganês é cogitada também na vizinha Conselheiro Lafaiete e em Barbacena, outro município da porção central de Minas, em negociações abertas pela companhia com os sindicatos locais de metalúrgicos. Mais de 600 empregos diretos e indiretos estariam ameaçados nas três cidades pela fraca demanda e o alto custo de energia que afeta as atividades de ferroligas da Vale nas três cidades, configurando perda de competitividade, justificativa que foi dada pela Novelis.

Nas rodadas de conversas com os representantes da mineradora, o sindicato dos metalúrgicos de Ouro Preto tenta negociar um acordo de estabilidade no emprego até que o cenário da economia em 2015 fique mais claro, mas a Vale recusou a proposta, de acordo com o advogado da entidade sindical, Renato dos Santos Lisboa. Procurada pelo Estado de Minas, a companhia não se pronunciou sobre o caso e nem deu informações quanto ao ritmo da produção nas unidades de Ouro Preto, Lafaiete e Barbacena.
Segundo o sindicato de Ouro Preto, a empresa mantém desligados desde fevereiro os três fornos que opera no município, tendo optado por vender a energia consumida nas operações no mercado livre, aquele em que o comprador escolhe o seu fornecedor. A continuidade da fábrica, de acordo com informações dadas por representantes da mineradora à diretoria do sindicato, depende da renovação pela Vale do contrato de venda de energia. “Há uma nuvem preta no ar, segundo a companhia, em virtude de uma situação desfavorável de mercado. Defendemos a manutenção dos empregos”, afirma Renato Lisboa.
DESTINO
Em Barbacena, o presidente do sindicato local dos metalúrgicos, Jaci da Silva Coelho, diz que a categoria está apreensiva com o destino da unidade produtora de ferroligas, a única que estaria operando em Minas. A produção da fábrica e da unidade da Vale em Simão Pires, na Bahia, seria suficiente para atender os clientes, que usam as ligas na fabricação de produtos siderúrgicos. “Os trabalhadores temem pela perda do emprego, num momento em que não há opção de trabalho na indústria no município. Nos últimos quatros anos, duas fábricas de tecidos fecharam as portas, com cerca de 2 mil demissões”, afirma.
Jaci Coelho afirmou que em reunião com representantes da Vale, como parte das negociações da campanha salarial deste ano, a companhia admitiu a possibilidade de fechamento da fábrica, em decorrência da energia mais cara, e propôs a manutenção do atual acordo coletivo, sem a concessão de reajuste dos salários, em troca da manutenção dos empregos. Os trabalhadores discutirão a proposta na próxima terça-feira. Em Ouro Preto, a Novelis iniciou na última quarta-feira o processo de paralisação das atividades dos seus fornos e comunicou que concederá férias coletivas para 300 empregados a partir do dia 16. O sindicato local dos metalúrgicos obteve decisão da Justiça do Trabalho de Minas que impede demissões até que haja acordo com os trabalhadores.

Fonte: Correio de Minas

quinta-feira, 11 de dezembro de 2014
Projeto Educação para a Vida é sucesso no Domingos Bebiano

Com início no mês de agosto, o projeto Educação para a Vida da escola Estadual Domingos Bebiano realizou do dia 17 a 21 de novembro uma semana com várias apresentações artísticas, exposições, palestras, teatro, músicas, trabalhos manuais, culinária típica africana, culinária alternativa, entre outras atividades. O projeto tem como objetivo, discutir e trabalhar os temas transversais como: meio ambiente, sexualidade, preconceito, consumo consciente, saúde, trabalho e ética, para levar o aluno à inserção com dignidade na sociedade em que vive, conquistando com sucesso a cidadania.


A escola contou com a parceria da comunidade lafaietense, Copasa, Pharmativa, Senac, Fasar, CDL, Fdcl, Receita Estadual de Lafaiete, escola Municipal José Castellões de Menezes, Grupo Lesma, grupo  de dança Fruto da África do bairro São João. Aconteceram também diversas palestras com vários temas como: “meu bolso feliz” com Lúcia Leijoto, “educação fiscal” com o professor Riveli, “obesidade” com a doutora Consolação, DST com Tamara e Thaís 
Milagres e “consumo consciente da água” com engenheiros da Copasa. Além também, de oficinas internas envolvendo alunos e professores, houve também, uma parceria da senhora Rosana que coordenou uma oficina de decupagem com alunos da instituição.
A direção, supervisão, professores, funcionários e alunos da escola Estadual Domingos Bebiano agradecem a todos e a comunidade escolar que contribuíram muito para a realização e o sucesso do evento.

Fonte: Jornal Correio da Cidade.

quarta-feira, 10 de dezembro de 2014
Usuários do Banco do Brasil se queixam de falta de dinheiro nos caixas eletrônicos

A servidora pública Maria da Conceição Silva denunciou à imprensa o que ela considerou ser uma situação de descaso. Ela conta que, no começo da manhã desta terça-feira (09/12) esteve na agência para sacar seu salário, mas não encontrou sequer um caixa eletrônico funcionando: “Estive aqui ontem; mas, como era feriado, imaginei que hoje retiraria o dinheiro, mas não pude”.

Clientes reclamam por falta de dinheiro e de explicações

Clientes reclamam por falta de dinheiro e de explicações

A servidora afirma que até conseguiria fazer outras movimentações, como pagamentos e depósitos, mas retirar o salário ela não conseguiu: “Procuramos alguém do banco pra nos dar uma satisfação, mas ninguém veio. Às nove e meia da manhã um funcionário chegou e me perguntou por que eu não usava o cartão de débito; mas o dinheiro é meu e eu quero e tenho o direito de sacá-lo”.

Segundo a servidora, muita gente havia chegado até antes dela para fazer saques automáticos e também não conseguiu. Ela disse ainda que tentou comunicar a situação ao serviço de atendimento ao cliente do Banco do Brasil através da central 0800, também sem sucesso. A cliente apelou então para o Banco Central, mas foi informada de que, para ser atendida, precisaria informar o número de protocolo fornecido pela agência alvo da reclamação, mas não havia ninguém para expedir o documento.

Explicação

Sobre a reclamação, o portal de notícias Fato Real conversou com o gerente do Banco do Brasil em Lafaiete, Rudnei Borja, que apresentou a explicação oficial para os contratempos enfrentados pelos clientes: “Durante o período de pagamentos o volume de saques é muito grande e somos orientados pelo Banco Central e pela Febraban (Federação Brasileira de Bancos) a colocar volumes mínimos de dinheiro nos terminais devido à grande ocorrência de furtos que vêm acontecendo no estado. O dinheiro liberado, infelizmente, não é suficiente para cobrir três dias de saque nos períodos de pagamento, como temos aqui. Todos os bancos têm limitada a liberação de dinheiro nos terminais. Nossa dificuldade é porque, como concentramos várias folhas de pagamento, o volume de saques é muito grande nos finais de semana, principalmente quando coincidem com o quinto dia útil. Como coincidiu de o feriado alongar o fim de semana, ficamos sem dinheiro nos terminais”.

Em situações como esta, a recomendação do gerente é que os clientes recorram a caixas alternativos (como dos Correios e correspondentes bancários) ou utilizem cartões de crédito e débito na hora das compras até que as operações de saques se normalizem. Nesta terça-feira, o movimento de retiradas voltou à normalidade por volta das 10 horas da manhã.

Mesma situação de falta de dinheiro nos caixas eletrônicos ocorreu nesta segunda-feira na agência do Bradesco, na Melo Viana, região central de Lafaiete.

Fonte: Fato Real

1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8 | 9 | 10 | Próximo >