A Simone Flôres, pensando nos seus clientes, aproveitou este canal para apresentação de como cuidar de 05 lindas flôre.

 

COPO DE LEITE
FLÔR DE MAIO
BEGÔNIA
PETÚNIA
GIRASSOL
COPO DE LEITE

Originaria do sudoeste da África, o copo de leite (Zantedeschia aethiopoca), ou também Lírio do Nilo chega a medir trinta centímetros, em alguns casos meio metro de altura.

Com o seu básico e lindo branco das flores, o seu cruzamento com outras espécies de copos de leites, está originando novas cores como, rosa, laranja, vermelho, roxo e amarelo.

O copo de leite é utilizado principalmente para o paisagismo, com flores grandiosas e firmes, ideal para lugares úmidos e/ou vasos domésticos.

Seu cultivo é bem básico, por ser uma planta apreciadora de lugares úmidos e ricos em matérias orgânicas e brejoso, ela necessita de estar sempre úmida e a meia-sombra.

Linda e grandiosa, pode também oferecer risco, pois é uma planta tóxica, a ingestão e o contato com os olhos, pode ocasionar mal estar e irritações, por isso, ao manusear esta planta, utilize luvas.

Por: Tatiane Coutinho

 

 

 FLÔR DE MAIO 

Originária do Brasil, esta flor atinge de 30 a 60 cm de altura. E deve ser regada periodicamente a meia-sombra. Floresce apenas uma vez por ano no outono em meados de maio, daí sua denominação. Em cores como amarelo, branco, vermelho, rosa e atraem os beija-flores por causa do néctar.

Muito sensível ao excesso de água e a terra não pode ficar permanentemente umedecida ou encharcada, pois as raízes e as hastes da planta começarão a apodrecer a partir da base.
Caso note que as folhes estão murchando, deixe-a mais úmida.

Para o crescimento é recomendado meia luz, ou seja, de média intensidade e para a floração em alta intensidade

A adubação é feita uma vez por mês durante o verão, nas demais estações a cada 2 meses.

Seu ciclo de vida é perene e de fácil cultivo, por isso tem se tornado uma dos presentes mais procurados para o dia das mães.

 

BEGÔNIA

As Begônias para vasos são muito delicadas, plantas tropicais, preferem clima quente (entre 20º e 28º) e não gostam de ventos. As Begônias semperflorens de canteiros preferem um clima mais ameno e não toleram bem as chuvas de verão, pois “melam”.

Para plantar a Begônia é necessário que o local seja bem drenado. Prepare uma mistura de 1/3 de areia, 1/3 de terra comum e 1/3 de húmus e pode-se acrescentar também um pouco de esterco de curral.

Se estiver plantada em vaso, atente para transferir para um vaso maior sempre que a planta crescer muito ou dividi-la em vários vasos (nos pequenos suas raízes vão se entrelaçando umas nas outras bloqueando a passagem de água e nutrientes).

Uma hora antes de transplantar regue o vaso para compactar a terra e não prejudicar o torrão.
Semanalmente retire folhas e galhos secos e uma vez por ano, na primavera faça uma poda drástica para incentivar a brotação de novos ramos. Corte sempre acima de uma folha e na diagonal.


Recomendações ao comprar um vaso de begônia:

1. Adquira plantas com alguns dos botões florais ainda fechas;

2. Mantenha a planta em ambiente com temperatura entre 20°C e 30°C e com boa luminosidade (luz indireta);

3.Regue a cada 4 dias para que a terra se mantenha sempre úmida (não use água muito fria). Não deixe a água no pratinho e não molhe flores e folhas;

4. Adube conforme as instruções contidas na embalagem do adubo

 

 PETÚNIA

Observações: Grupo de herbáceas floríferas obtido por hibridação, principalmente das espécies Petunia axillaris, e Petunia violácea. As plantas possuem de 15 a 30 cm de altura.

Flores grandes, em cores variadas, brancas, vermelhas ou roxas, simples ou dobradas, formadas principalmente na primavera.

Ocorrem também as variedades anãs e compactas, mais delicadas para o cultivo.

Aprecia o frio, podendo contudo ser cultivada até nos subtrópicos.

Cultivo: São cultivadas a pleno sol, em vasos, jardineiras ou em grandes maciços, em canteiros de terra rica em matéria orgânica.

São multiplicadas por sementes que podem ser semeadas durante o ano todo, em ambientes protegidos de intempéries.

   Fonte: www.Cultivando.com.br                                                                    

 

GIRASSOL

Embora seja muito comum no Brasil, o girassol não é nativo do país, tendo origem na América do Norte e Central. Para você que tem vontade de cultivar girassóis no jardim, separamos algumas dicas de paisagistas.

Segundo o engenheiro agrônomo Fábio de Godoy, do Uemura Flores e Plantas, os cuidados no cultivo do girassol começam com um solo bem drenado e com boa estrutura. Para isso, recomendo o uso de duas partes de substrato de jardim junto com uma parte de humus de minhoca. Também é preciso que a planta esteja em um ambiente ensolarado, devendo receber pelo menos de três 3 a quatro horas de sol por dia, já que a flor não resiste a ambientes sombreados, afirma Fábio.

Para a paisagista Nô Figueiredo, da Parceria Verde, a flor não exige cuidados especiais. Somente os cuidados normais com as plantas, que são regar, adubar e cuidar com amor e carinho, diz ela. No entanto, vale lembrar que, como o próprio nome da flor diz, ela não consegue sobreviver em outros tipos de luminosidade. Tanto seu nome popular, girassol, como seu nome científico, Helianthus, que significa flor do sol, indicam que é uma planta de pleno sol. A flor gira sempre buscando o sol, explica Nô.

Segundo ela, as regas dependem do clima, mas o solo deve ser rico em matéria orgânica e ser mantido úmido. Se estiver fazendo um calorão, é necessário regar bastante, até duas vezes ao dia. Importante é regar bem cedo ou no final do dia, quando o sol está se pondo. Nunca regar nas horas mais quentes do dia, diz a paisagista.

Segundo Fábio, a adubação pode ser feita com N-P-K 4-14-8 a cada 30 dias durante todo o ciclo da planta até a floração. O agrônomo explica que, como se trata de uma planta de ciclo anual, após a floração, ela seca. Por isso, Nô relembra que o replantio deve ser feito anualmente. Como o girassol não pode ser podado, Nô dá uma dica. Se você não quer uma planta tão alta, plante os mini-girassóis.

Fonte: www.comocuidar.com.br