Categorias

História - O melhor do bairro de Campo Grande, Rio de Janeiro, RJ

 

 

Informações da Região

A Zona Oeste é uma importante região da Cidade do Rio de Janeiro, representando quase 50% do território do município. Antiga área agrícola, hoje a região se destaca pelos pólos industriais e pelas reservas florestais que abriga, além de destacada participação no processo histórico de desenvolvimento da Cidade, deixando para as gerações atuais sítios, prédios e monumentos de expressiva importância.

Abaixo estão disponibilizadas informações gerais sobre a Zona Oeste. São informações referentes à história, geografia, cultura e pontos turísticos da região. 
 

 Atrativos Históricos

Igrejas 

 

Igreja Nossa Senhora do Desterro

Construída em 1673, a Igreja Matriz de Campo Grande foi totalmente destruída por um incêndio, no dia 1º de Outubro de 1882, e reconstruída rapidamente pelo esforço do padre Belisário dos Santos.
O nome Campo Grande, dado pelos jesuítas, surgiu por causa da extensão de terra entre os limites da Freguesia Nossa Senhora do Desterro.
A atual Igreja Matriz de Campo Grande, hoje inteiramente remodelada no seu interior, teve sua origem na antiga Capela de Nossa Senhora do Desterro.
Prédio Histórico
Rua Amaral Costa, 141 – Campo Grande - Telefone: 2413-4837
(Foto: Riotur)

 

Capela Magdalena

Decorada com afrescos bizantinos e barrocos, a Capela Magdalena, desde meados de 1990, transformou-se em um dos principais atrativos turísitco-culturais da Zona Oeste.
Estrada do Mato Alto, 6024 – Pedra de Guaratiba - Telefone: 2410-7183
(Foto: Riotur)

 

Igreja Matriz Salvador do Mundo

Construída em torno de 1755 pelos Padres Carmelitas (Ordem de Nossa Senhora do Carmo), é considerada uma verdadeira relíquia para os moradores da Ilha de Guaratiba.
Através de suas janelas de ferro e paredes espessas, a igreja preserva as suas características do século XVIII. Fundada pelo Marquês de Valença, a igreja foi construída em local estratégico, com a visualização de todo o litoral, para a segurança contra os ataques franceses.
Isso fez com que o adro da igreja se tornasse um importante e procurado mirante, sendo visitado por mais de 150 pessoas durante os finais de semana.
Estrada da Matriz, 6.496 – Ilha de Guaratiba - Telefone: 2410-7033 (Foto: Riotur)

 

Geografia da Região

Áreas Ecológicas

 

 Travessia Serra do Medanha (Rio Guandu Sapê)

Localizada na Serra do Medanha (área de Campo Grande).
Vias de acesso: Estrada do Medanha, Estrada Abílio Bastos e Caminho da Represa do Medanha.
As linhas de ônibus 850 (Campo Grande-Medanha, via Serrinha) e 830 (Campo Grande-Pedregoso, via Serrinha) também permitem ao público acesso ao local.
Atrativos naturais: trilhas, piscinas natuarais, cachoeiras, rios e vestígios vulcânicos.
(Foto: Riotur)
Características: uma caminhada leve em um particular setor da Serra do Mendanha, onde podemos observar a pujança da Mata Atlântica em seu melhor grau de preservação.
Altura máxima: 300m e extensão aproximada: 3km.
 

 Travessia Rio da Prata (Pau da Fome, via Monte Alegre)

Localizada em Campo Grande (Rio da Prata).
Vias de acesso e trilhas: Praça Mário Valadares, Estrada da Batalha, Caminho do Sacarrão, Caminho da Virgem Maria, Caminho do Monte Alegre e Pórtico da Pedra Branca.
O público também pode utilizar a linha de ônibus 846 (Terminal Rodoviário de Campo Grande-Rio da Prata) para chegar ao local.
Atrativos naturais: riachos, trilhas e mirantes naturais.
Características: caminhada média e longa cruzando o Maciço da Pedra Branca,
em meio a floresta e plantações. Um belíssimo visual da Baixada de Jacarepaguá.
Altura máxima: 745m e extensão: 8,5km.
(Foto: Riotur)
 

Travessia Rio da Prata (Pau da Fome, via Casa Amarela)

Localizada em Campo Grande (Rio da Prata).
Vias de acesso e trilhas: Caminho da Pedra Branca, Caminho Herve Muniz, Caminho da Santa Bárbara e pórtico da Floresta da Pedra Branca.
A linha de ônibus 846 (Terminal Rodoviário de Campo Grande-Rio da Prata) também pode ser utilizada para acessso ao local.

Atrativos naturais: riachos, cachoeiras, trilhas, mirantes naturais e abrigos de pedra.
Características: caminhadas média e longa cruzando o Maciço da Pedra Branca por entre vales numa altitude média de 800 metros.
Altura máxima: 800m e extensão: 11km. (Foto: Riotur)

  

Travessia Rio da Prata (Vargem Grande)

Localizada em Campo Grande (Rio da Prata) e Jacarépaguá (Vargem Grande).
Vias de acesso e trilhas: Praça Mário Valadares, Estrada da Batalha, Caminho da Furna, Caminho do Monteiro, Caminho do Jequitibá, Serra do Rio da Prata, Caminho do Cafundá e Estrada Macuíba.
O público também pode utilizar a linha de ônibus 846 (Terminal Rodoviário de Campo Grande-Rio da Prata) para chegar ao local.
Atrativos naturais: riachos, cachoeiras, trilhas, abrigo de pedra, jequitibás e mirantes naturais.
Características: caminhadas por entre vales e Serras do Parque Estadual da Pedra Branca.
Na descida, uma vista panorâmica da orla do Recreio dos Bandeirantes e da Barra da Tijuca.
Altura máxima: 600m e extensão: 8km.
(Foto: Riotur)
 

Vale da Caixa D" Água (Rio da Prata)

Localizado em Campo Grande (Rio da Prata/Ilha de Guaratiba).
Vias de acesso e trilhas: Praça Mário Valadares, Estrada do Cabuçu, Caminho do Morro dos Caboclos, Caminho do Cedro, Caminho do Circuito dos Caboclos, Caminho da Toca Grande, Caminho do Morgado, Ilha de Guaratiba.
O público também pode utilizar a linha de ônibus 846 (Terminal Rodoviário de Campo Grande-Rio da Prata) para chegar ao local.
Atrativos naturais: riachos, nascentes d"água, trilhas e mirantes naturais.
Características: caminhada longa, atravessando o setor Oeste do Maciço da Pedra Branca e com ampla visão da Baía de Sepetiba, Restinga da Marambaia, Vargem Grande, Recreio e parte da Barra da Tijuca.
Altura máxima: 745m e extensão: 8,5km.
(Foto: Riotur)
 

Travessia Morro do Lameirão

Localizada em Campo Grande (Lameirão Pequeno/Lameirão).
Vias de acesso e trilhas: Estrada do Lameirão Pequeno, Sítio Três Nações e Caminho do Morro do Lameirão.
A linha de ônibus 847 (Terminal Rodoviário de Campo Grande-Rio da Prata) também pode ser utilizada para acessso ao local.
Atrativos naturais: riachos, trilhas e mirantes naturais.
Características:caminhada leve até a altitude de 487 metros, de onde se tem uma vista panorâmica de toda a Zona Oeste.
Altura máxima: 487m e extensão aproximada: 1,5km. (Foto: Riotur) 

 

Pico da Pedra Branca

Localizada em Campo Grande (Rio da Prata).
Vias de acesso e trilhas: Praça Mário Valadares, Estrada da Batalha, Caminho da Furna, caminho do Monteiro, Caminho da Pedra Branca e Caminho do Heliporto.
A linha de ônibus 846 (Terminal Rodoviário de Campo Grande-Sepetiba, via Brisa) tambérm oferece acesso ao local.
Atrativos naturais: riachos, cachoeiras, trilhas, mirantes naturais e nascentes d´água.
Características: Caminhada pesada ao ponto culminante do Município do Rio de Janeiro. Belíssimo visual.
Altura máxima: 1.025m e extensão: 6km. (Foto: Riotur)

 

Pedra do Carvalho

Localizada em Campo Grande (Rio da Prata).
Vias de acesso: Praça Mário Valadares, Estrada da Batalha, Caminho do Sacarrão e
Caminho do Padre.
A linha de ônibus 846 (Terminal Rodoviário de Campo Grande-Rio da Prata) também permite ao público acesso ao local.
Atrativos naturais: riachos, trilhas e mirantes naturais.
Características: caminhada média com privilegiado panorama de parte do Maciço da Pedra Branca.
Altura máxima: 600m e extensão aproximada: 3km. (Foto: Riotur)

 

Vale da Virgem Maria

Localizada em Campo Grande (Rio da Prata).
Vias de acesso: Praça Mário Valadares, Estrada da Batalha, Caminho do Sacarrão e Caminho
da Virgem Maria.
A linha de ônibus 846 (Terminal Rodoviário de Campo Grande-Rio da Prata) também permite ao público acesso ao local.
Atrativos naturais: riachos, trilhas, nascentes d´água e mirantes naturais.
Características: caminhada pesada e longa com uma belíssima panorâmica de todo o Município do Rio de Janeiro.
Altura máxima: 500m e extensão aproximada: 3,5km. (Foto: Riotur)

 

Morro dos Caboclos

Localizada em Campo Grande (Rio da Prata).
Vias de acesso: Praça Mário Valadares, Caminho do Morro dos Caboclos, Caminho do Cedro e Caminho dos Caboclos.
A linha de ônibus 846 (Terminal Rodoviário de Campo Grande-Rio da Prata) também permite acesso ao local.
Atrativos naturais: riachos, nascentes de água, mirantes naturais e trilhas.
Características: Caminhada com amplo visual da Baixada de Sepetiba, Restinga da Marambaia
e Serra do Mar.
Altura máxima: 688m e extensão aproximada: 5km. (Foto: Riotur)
 

Morro do Cabuçu

Localizada em Campo Grande (Caboclos).
Vias de acesso e trilhas: estrada dos Caboclos, Cidade Batista e trilha de acesso ao Morro do Cabuçu.
O público também pode utilizar a linha de ônibus 836 (Terminal Rodoviário de Campo Grande-Caboclos) para chegar ao local.
Atrativos naturais: trilhas e mirantes naturais.
Características: caminhada média até a cota de 568 metros, de onde se tem um visual em parte da Zona Oeste.
Altura máxima: 568m e extensão aproximada: 4.5km. (Foto: Riotur)
 

Morro do Silvério

Localizada em Pedra de Guaratiba.
Vias de acesso: Rua Belchior da Fonseca, Rua Professor Antônio Reis, Travessa Darcy e Caminho do Morro do Silvério.
A linha de ônibus 846 (Terminal Rodoviário de Campo Grande-Rio da Prata) também permite ao público acesso ao local.Atrativos naturais: trilhas e mirantes naturais.
Características: caminhada leve num dos últimos vestígios da Mata Atlântica em Pedra de Guaratiba. Amplo visual da Baía de Sepetiba, Restinga da Marambaia, Baixada de Sepetiba.
Altura máxima: 97m e extensão aproximada: 700km. (Foto: Riotur)


Maciços

 

Maciço de Gericinó (Serra do Medanha)

Localizado em Campo Grande/Bangu.
Área de treinamento militar, último reduto de trechos da Mata Atlântica primária do Município, local de nascentes de rios de água cristalina, guarda restos de um vulcão que sacudiu a região, quando o homem ainda não habitava a Terra. Possui a Floresta do Mendanha, pouco conhecida dos cariocas, mas avistada quando se passa pela Av. Brasil, na altura dos bairros de Campo Grande e Bangu.
Há 30 milhões de anos, dois vulcões – no Estado existiam quatro – estavam em plena atividade na Serra do Mendanha / Serra de Madureira.
(Foto: Riotur)
O que restou do maior virou atração de Nova Iguaçu: sua cratera ainda pode ser vista por quem caminha pela floresta que desce pela encosta do lado do Município. Ele foi descoberto em 1979 pelo geólogo Victor de Carvalho Klein.
O outro vulcão fica na Serrinha do Mandanha, em Campo Grande (Chaminé do Lamego). Ele foi descoberto em 1936.

Características da Região

A configuração geográfica da região situada a Oeste do Município do Rio de Janeiro, possui características próprias, pois aqui notamos regiões de serras, planícies e descampados. Esta característica se acentua ainda mais quando se aproxima do litoral, mais a Oeste, limitando-se com a Baía de Sepetiba, com o adensamento de rios e canais, que aí vão desaguar e a presença de vegetação de pequeno porte., principalmente os manguezais na orla da Baía.
A região está encravada em um grande vale que tem como contrafortes a Serra do Mendanha, que separa o Município do Rio de Janeiro do município de Nova Iguaçu e, do outro lado, o Maciço da Pedra Branca, servindo como ponto divisório entre a região e os bairros de Jacarepaguá, Recreio e Vargem Grande e Pequena. A vegetação característica constitui-se, em sua maioria, de arbustos, com adensamento de matas nas proximidades e nas serras e maciços
Quando se fala de área verde, a Zona Oeste do Rio de Janeiro pode ser considerada privilegiada. Nessa região encontram-se três importantes áreas de preservação permanente, significativos trechos de manguezais na desembocadura de alguns rios e no fundo das baías e as áreas agrícolas mais promissoras do município.
O Maciço da Pedra Branca, que começa junto ao mar, seguindo por escarpas montanhosas e grotões florestados, terminando na Serra de Bangu, mantém significados remanescentes florestados especialmente acima de 100m de altitude. Acima dessa cota, o Instituto Estadual de Floresta – IEF, tem mantido séria vigilância no sentido de evitar desmatamento, novas edificações e retirada de rochas ou do próprio solo. No sopé e nos vales, as edificações são permitidas.
No município do Rio de Janeiro essa é a maior área coberta por floresta natural, já que a Floresta da Tijuca é, em parte, oriunda de reflorestamento. A vegetação é rica e nela podem ser vistos exemplares seculares de braúnas, cedros, jequitibás e uma fauna exuberante.
Na Zona Oeste, encontramos também a Serra do Mendanha, localizada no Maciço de Gericinó e estabelecido por lei, no ano de 1993, como Parque Ecológico do Mendanha. Este parque abriga uma das últimas reservas da Mata Atlântica do Município. Um levantamento realizado recentemente pela Secretaria do Meio Ambiente constatou a existência de espécies raras ameaçadas de extinção.
Sua área total está em fase de definição, mas deverá ocupar região total de 324 hectares. Sua delimitação parte do cruzamento da Estrada do Guandu do Sena com a do Boqueirão, em direção ao norte até as Serras do Gericinó e do Mendanha. Ao sul, eles se estendem até a Serra do Quitungo voltando a Estrada do Guandu. Suas árvores chegam a atingir 30 metros de altura e a temperatura média do Parque é de cerca de 30º C, mesmo nos dias mais quentes. Nesta região são encontradas as temperaturas mínimas da região.
 

 Esporte & Lazer

 

Centro Esportivo Miécimo da Silva

 O Centro Esportivo Miécimo da Silva realiza Eventos internacionais: Mundialito de Tênis de Mesa e VII Jogos Sul Americanos(Futsal).

 Eventos Nacionais: Campeonato Brasileiro de Ginástica Olímpica, eventos com as Federações de Atletismo, Basquete, Judô, Karatê, Ginástica Olímpica e Rítmica, Esportes Aquáticos, Handebol, Voleibol, Futebol Socity, Futsal,etc.
Eventos internos da SMEL e demais secretarias quando solicitado. Eventos internos da SMEL e demais secretarias quando solicitado.
Aproximadamente 17.000 pessoas se beneficiam das nossas atividades. Atividades ofercidas para crianças a partir dos 6 meses de idade, adolescentes, jovens, adultos, 3ª idade e PPD.

É o maior centro esportivo da América Latina administrado por uma Prefeitura. Vale a pena citar que o ginásio é climatizado com 5.000 lugares com assentos, piscinas olímpica e semi-olímpica aquecidas, pista de atletismo aprovada pela federação internacional de atletismo, 7 quadras externas polivalentes.

Funcionamento: 3ª à 6ª feira das 6:20 às 19 hs
(aulas de iniciação esportiva) e sábados e domingos das 9 às 16 hs
(atividades de recreação e lazer).
 

 

 Conteúdo Histórico

 

Campo Grande é um bairro da cidade do Rio de Janeiro de classe média e média-baixa, localizado na zona oeste da cidade com aproximadamente 297.494 habitantes inseridos numa área territorial de 11.912,53 hectares[1]. Por ser um bairro de grandes extensões faz limite com outros dez bairros da zona oeste: Paciência, Cosmos, Inhoaíba, Guaratiba, Vargem Grande, Jacarepaguá, Senador Vasconcelos, Senador Camará, Santíssimo, Bangu e mais o município de Nova Iguaçu na Baixada Fluminense
Inicialmente, a extensão de terras que vai do Rio da Prata até Cabuçu, que hoje corresponde à Região Campo Grande, era habitada por índios Picinguaba. Após a fundação da Cidade, em 1565, esse território passou a pertencer à grande Sesmaria de Irajá. Desmembrada desta em 1673, a área foi doada pelo governo colonial a Barcelos Domingues e, no mesmo ano, foi criada a Paróquia de N. Sa. do Desterro, marco histórico da ocupação territorial da Região. Antes de a Freguesia Rural de Campo Grande começar a prosperar, sua ocupação foi influenciada pela antiga fazenda dos jesuítas, em Santa Cruz. Inicialmente desenvolveu-se na Região o cultivo da cana-de-açúcar e a criação de gado bovino. O trabalho dos jesuítas foi de extrema importância para o desenvolvimento do Rio de Janeiro. Além das obras de engenharia que realizaram, como a abertura de canais e a construção de diques e pontes para a regularização do rio Guandu, o escoamento dos produtos da Fazenda Santa Cruz, oriundos do cultivo da cana-de-açúcar e da produção de carne bovina, era feito através da Estrada da Fazenda dos Jesuítas, posteriormente Estrada Real da Fazenda de Santa Cruz, que ia até São Cristóvão e se interligava com outros caminhos e vias fluviais que chegavam até o centro da Cidade.
Do final do século XVI até meados do XVIII, a ocupação territorial da Região foi lenta, apesar do intenso trabalho dos jesuítas, encerrado quando foram expulsos do País pelo Marquês de Pombal, em 1759. Para avaliar sua importância econômica, no ano da expropriação de suas terras, em Santa Cruz, os padres possuíam 22 currais com aproximadamente oito mil cabeças de gado e 1.200 cavalos. Os religiosos deixaram obras de engenharia de vulto como estradas, pontes e inúmeros canais de captação de água para irrigação, drenagem e contenção da planície, sempre sujeita às enchentes dos rios Guandu e Itaguaí.
Entre 1760 e 1770, na antiga Fazenda do Mendanha, o padre Antônio Couto da Fonseca plantou as primeiras mudas de café, que floresceram de forma extraordinária, com mudas originárias das plantadas em 1744 no convento dos padres barbadinhos. Os historiadores apontam a partir daí o desenvolvimento que a cultura cafeeira teve em todo o Estado no século XIX, espalhando-se pelo Vale do Paraíba aos contrafortes da Serra do Mar, atingindo, em sua expansão, a província de Minas Gerais.
Como a Região era uma área nitidamente rural, os aglomerados humanos formados durante quase três séculos ficaram restritos às proximidades das fazendas e engenhos e às pequenas vilas de pescadores, ao longo da costa. Já no final do século XVIII, a Freguesia de Campo Grande começou a prosperar.
Seu desenvolvimento urbano ocorreu a partir do núcleo formado no entorno da Igreja de N. Sa. do Desterro, cuja atração era a oferta de água do poço que existia perto da igreja. Em Campo Grande, a exemplo do que ocorreu em toda a Cidade, o abastecimento público de água foi um fator de atração e desenvolvimento. Foi tão importante para a Região que se firmou um acordo garantindo a venda, pelo povoado de Campo Grande para o de Santa Cruz, das cachoeiras dos rios do Prata e Mendanha, com a condição de que as águas continuassem a abastecer o bairro.
Durante todo o século XVIII a ocupação territorial mais efetiva ocorreu em Santa Cruz, por causa do engenho dos jesuítas, e nas proximidades do centro de Campo Grande, cujas terras compreendem hoje as regiões de Bangu e Jacarepaguá. Essas terras eram atravessadas pela Estrada dos Jesuítas, mais tarde Estrada Real de Santa Cruz - que ia até São Cristóvão - e pelas vias hidrográficas da extensa Freguesia de Irajá. Toda a área, na verdade, era uma única região, um imenso sertão pontilhado por alguns núcleos nos pontos de encontro das vias de acesso, em torno dos engenhos e nos pequenos portos fluviais.
A fazenda dos jesuítas era tão importante para o governo colonial que suas terras não foram postas em leilão, após a expropriação, tendo sido incorporadas ao patrimônio oficial e depois transformadas por D. João VI em Fazenda Real de Santa Cruz, após a transferência da corte portuguesa para o Brasil, em 1808.
Com a chegada da comitiva real, a cidade do Rio de Janeiro modificou-se muito e todas as regiões tipicamente rurais sofreram sua influência. As atividades econômicas e culturais aceleraram-se e a zona rural voltou-se para o abastecimento da Cidade e para os benefícios trazidos pela corte. Não houve, porém, uma aceleração do desenvolvimento da Região, que continuou a manter suas características rurais.
A partir da segunda metade do século XIX, a área começou a se adensar com a implantação, em 1878, de uma estação da Estrada de Ferro D. Pedro II, em Campo Grande. O transporte ferroviário foi, então, o vetor que transformou esta região tipicamente rural em urbana, ao facilitar o acesso - e, conseqüentemente, seu povoamento - ao centro da Cidade. Em 1894, a empresa particular Companhia de Carris Urbanos ganhou a concessão para explorar a linha de bondes à tração animal, possibilitando que as localidades mais distantes da Região fossem alcançadas, o que favoreceu o seu desenvolvimento urbano interno.
A partir de 1915, os bondes à tração animal foram substituídos pelos elétricos, permitindo maior mobilidade e integração entre os núcleos semi-urbanos já formados. Este evento acentuou o adensamento do bairro central de Campo Grande e estimulou o florescimento de um intenso comércio interno, de certa forma, independente. O bairro que, historicamente, já era o ponto de atração do crescimento da Região tornava-se agora sua mola propulsora, adquirindo características tipicamente urbanas.
Com as crises da cultura do café, iniciadas no final do século XIX e persistindo no século seguinte, durante a Primeira Guerra Mundial, até culminarem com a depressão que se seguiu ao colapso de Wall Street, em 1929, com suas conseqüências no comércio internacional estendendo-se à cotação do café, a Região voltou-se para uma nova atividade, a citricultura. Desde os primeiros anos do século XX e até os anos 40, Campo Grande foi considerada a grande região produtora de laranjas, o que lhe rendeu o nome de "Citrolândia".
Desde a segunda metade do século XIX já se configurava no País uma estrutura econômica voltada para o setor industrial, principalmente no Rio de Janeiro e em São Paulo. Mas essa estrutura era extremamente dependente do modelo agrário-exportador da economia, além de afetada por outros fatores, como a inexistência de fontes de energia, o baixo nível de qualificação e recrutamento de mão-de-obra local e a concorrência dos produtos industrializados estrangeiros.
Apesar desses entraves, até o início do século XX, uma forte atividade industrial - voltada para a fabricação de tecidos, calçados, mobiliário, bebidas, etc. - concentrava-se no Centro do Rio. Embora desde o começo do século XX a Região Campo Grande - até hoje zona de plantio, principalmente de coco, chuchu, aipim, batata doce e frutas - ainda fosse voltada para a plantação de laranjas, nessa época já se delineava a vocação industrial do lugar. Na última década do século XIX, a instalação da Fábrica Bangu e a implantação de unidades militares em Bangu e Realengo afetaram toda a Região, inclusive Campo Grande..
Durante o governo do presidente Washington Luis, na década de 1930, a Estrada Real foi incorporada à antiga Estrada Rio-São Paulo. Esse fato integrou Campo Grande ao tecido urbano da Cidade, acentuando seu adensamento. Logo após a Segunda Grande Guerra, em 1946, a abertura da grande Avenida Brasil, considerada por muitos a maior via urbana em extensão, aproximou ainda mais a Região do restante da Cidade.
Criada para escoar a produção das indústrias cariocas, a nova via não teve o fluxo esperado, durante a década de 1950. A criação da rodovia Presidente Dutra, ligando o Rio a São Paulo, desviou o fluxo de mercadorias para outra direção e a Região ficou estagnada, em termos de adensamento e desenvolvimento industrial.
Em 1946, iniciou-se na Cidade, na região de Campo Grande, a avicultura industrial, atividade introduzida por Bartolomeu Rabelo, precisamente na Estrada do Mato Alto, em Guaratiba.
Por causa da beleza das praias locais, o turismo foi surgindo de forma natural. E a riqueza vinda do mar fez desenvolver a atividade pesqueira, com entrepostos em Barra e Pedra de Guaratiba. Em função disso, os dois bairros desenvolveram uma importante gastronomia típica, vocação localizada surgida espontaneamente.
A partir da década de 1960, surgiram os distritos industriais em Campo Grande e Santa Cruz, resultando na instalação de grandes empresas, como a siderúrgica Cosigua-Gerdau, a Michelin e a Vale-Sul, entre outras.
Historicamente, Campo Grande notabilizou-se por ter se desenvolvido de forma independente do resto da Cidade. É a Região mais populosa e com maior potencial de crescimento por diversas razões: situada nos limites do Município, foi favorecida desde os primórdios do nascimento do Rio de Janeiro por estradas que atravessaram sua planície; outros pontos positivos são os seus abundantes mananciais de água, as belas praias, a fertilidade de suas terras e, principalmente, a chegada de pessoas com vocação empreendedora. Iniciada com os jesuítas, essa vocação continuou com as culturas de café, de legumes e verduras, de laranjas, até à avicultura. Hoje, a Região apresenta grande potencial para o desenvolvimento de pólos de gastronomia e de turismo ecológico.
A região começou a progredir em 1878, quando da inauguração da estação de Campo Grande, da Estrada de Ferro Central do Brasil. A partir de então a comunicação tornou-se mais rápida para o centro da cidade e a região começou sua marcha rumo ao vertiginoso desenvolvimento.
A Região Campo Grande cobre uma área de 46.996 hectares(1), onde residem 896.856 habitantes, segundo o Censo 2000. Tem o território mais extenso e o maior contingente populacional entre as 12 regiões do Plano Estratégico que compõem o Município do Rio de Janeiro. Sua densidade bruta de 19,1 habitantes por hectare é uma das menores. É formada por 11 bairros: Barra de Guaratiba, Campo Grande, Cosmos, Guaratiba, Inhoaíba, Paciência, Pedra de Guaratiba, Santa Cruz, Santíssimo, Senador Vasconcelos e Sepetiba.
A Região Campo Grande possui três áreas geomorfologicamente distintas.
A primeira é formada pelos afluentes da margem esquerda do Rio Guandu: o Rio Campinho, que nasce na encosta norte da Serra de Inhoaíba e o Rio da Prata, que nasce na encosta sudoeste do Maciço do Gericinó. Esta primeira área possui uma densidade de drenagem menor. Devido à sua pequena superfície, deve-se atentar para uma sistemática dragagem do Rio Guandu e, por possuir uma densidade populacional maior, requer um criterioso estudo da drenagem urbana, a fim de evitar possíveis enchentes.
A segunda área é formada pelos afluentes da Baía de Sepetiba, ao sul do Maciço da Pedra Branca. Os rios Cabuçu e Piraquê drenam a região entre o Maciço da Pedra Branca e a Serra de Inhoaíba. Os rios Portinho e Piracão nascem na vertente sul do Maciço, e o Rio do Ponto nasce na vertente sudoeste da Serra de Inhoaíba. Esta área, situada predominantemente na Baixada de Guaratiba, possui boa drenagem, apesar de sua baixa altitude e estar sujeita a precipitações pluviométricas, em função da pouca distância entre o Maciço e a Baía de Sepetiba. O processo de erosão do Maciço da Pedra Branca e a formação da Restinga de Marambaia provocaram o acúmulo de sedimentos na desembocadura dos rios, resultando na formação dos mangues, um ecossistema frágil e facilmente degradável, recomendando-se o desenvolvimento de atividades de preservação ecológica na área.
A terceira área é formada pelos canais afluentes da Baía de Sepetiba, da Baixada de Santa Cruz: a leste, o Rio Cação Vermelho; ao sul, a margem oeste do Rio do Ponto; a noroeste, a margem leste do Rio Guandu. Esta extensa área com pouca variação altimétrica levou os jesuítas, seus primeiros colonizadores, a construírem diversos canais de drenagem, que afluem para a Baía. Alguns deles são independentes dos rios Cação Vermelho e Guandu, seguindo diretamente para a Baía, como os canais do Guandu, Itá e São Francisco. A manutenção dessa rede de drenagem é importante para a agricultura da Região e minimiza o problema das enchentes, aumentando a drenagem de áreas permanentemente alagadas.
 

Desenvolvimento


O tecido urbano de Campo Grande é regular e descontínuo; a ocupação sendo resultante de loteamentos isolados de grandes áreas. Na verdade, Campo Grande, por dispor de vasta rede de serviços e um comércio que foi se expandindo e se diversificando, cresceu extraordinariamente.
Os mais altos níveis de presença de imóveis próprios encontram-se em Campo Grande. O predomínio é de casas com dois quartos, com área construída de 60 metros quadrados. A CEHAB construiu, nos anos de 1962 a 1979, os seguintes empreendimentos: Conjunto Santa Margarida na Estrada do Campinho.
Na área educacional, Campo Grande apresenta um dos maiores números de concentração estudantil do Estado do Rio de Janeiro. O índice de freqüência às aulas é satisfatório, assim como o número de matrículas, que tem aumentado ano à ano.
A Região está classificada como de médio-alto desenvolvimento humano segundo o Índice de Desenvolvimento Humano-IDH (0,766), e ocupa a última posição quando consideradas as 12 regiões do Plano Estratégico, o que faz dela a região de menor desenvolvimento humano da cidade. Entre as dimensões que compõem o IDH, também apresenta os piores resultados em longevidade (IDH-L=0,708), educação (IDH-E=0,900) e renda (IDH-R=0,690).
Os dados demográficos indicam que a Região cresceu à acentuada taxa de 22%, na década de 1990, a segunda maior taxa de crescimento da cidade, superada somente pela Barra da Tijuca. É a Região que tem o maior contingente populacional da cidade, tendo absorvido cerca de 200.000 novos residentes na década(3). O maior crescimento populacional ocorreu na segunda metade da década: 14%, ou 126.096 novos moradores. Alguns bairros cresceram a taxas acentuadamente altas na década de 1990, como Guaratiba (43%), Inhoaíba (36%) e Paciência (33%). Cabe destacar que dois bairros perderam população entre 1996/2000: Barra de Guaratiba (-11%) e Senador Vasconcelos (-2,5%)(3).


Cidade de Campo Grande


Finalmente, em 1968, o reconhecimento da cidade, o que, até hoje, pouca gente tem conhecimento.
Lei número 1.627, de 14 de junho de 1968, projeto do deputado Frederico Trotta.
O governo do estado da Guanabara, faço saber, que a assembléia legislativa do estado da Guanabara aprovou o projeto de lei número:181 de 1967 e eu promulgo, de acordo com o artigo 26, 3°, da constituição do estado, a seguinte lei:
Art. 1° - É reconhecida como "Cidade" a localidade de Campo Grande, passando a denominar-se Cidade de Campo Grande.
Art. 2° - Esta Lei entrará em vigor, na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário.
Rio de Janeiro, 14 de Junho de 1968 - 80° da república e 9° do estado da Guanabara. Francisco Negrão de Lima, Álvaro Americano, Arnaldo Salgado Mascarenhas, Gonzaga da Gama Filho, Althemar Dutra de Castilho, Humberto Braga, Cotrin Neto, Raymundo de Paula Soares, Hildebrando Monteiro Marinho, Luiz de França Oliveira, Augusto do amaral Peixoto, Dirceu de Oliveira e Silva, Victor de Oliveira Pinheiro e Lecy Neves.


Indústria & Comércio


O comércio no bairro é auto-suficiente, exercendo atração sobre outras regiões. O setor indústrial também está em crescimento. Campo Grande possui um Distrito Industrial localizado no quilômetro 43 da Avenida Brasil, abrangendo ainda a Estrada do Pedregoso. Em 1946 Bartolomeu Rabelo instalou um aviário em bases cientificamente aceitáveis para a época, onde iniciou-se a avicultura carioca, conseguindo atingir hoje um grau elevado de desenvolvimento neste ramo.
A atividade econômica local é composta por cerca de 3.700 estabelecimentos, 87,2% dos quais são do segmento de comércio e serviços, empregando aproximadamente 49 mil pessoas. O volume de negócios gera R$ 256,9 milhões de ICMS (US$ 221,3 milhões)(2), sexta arrecadação da cidade.
Entre as indústrias que se encontram instaladas em Campo Grande estão a AMBEV, Refrigerantes Convenção, Guaracamp, Cogumelo (estruturas metálicas), Fredvic (confecção), Novartis (farmacêutica), Sacipan (café Câmara), Michelin, EBSE (soldas elétricas), Superpesa (estruturas metálicas), Dancor (bombas) e Ranbaxy (farmacêutica).
No Rio da Prata, Mendanha e Guaratiba ainda encontram-se estabelecimentos que se dedicam a agricultura e pecuária. Dentre as culturas mais desenvolvidas estão a banana, a laranja, a manga, o abacate, o aipim, o chuchu dentre outros. Na pecuária e avicultura destacam-se criações de aves, caprinos, suínos, bovinos e coelhos.


Principais Vocações de Campo Grande


A Região Campo Grande tem o maior contingente populacional da cidade, mas por ser a maior em área territorial, sua densidade líquida é a segunda menor entre as 12 regiões do Rio. Suas áreas verdes, seus grandes espaços livres ainda não ocupados, juntamente com a orla marítima, constituem suas maiores atrações. A Região representa a última grande fronteira para uma expansão de acordo com suas vocações específicas - manifestas historicamente desde o início da formação da cidade - e para o crescimento harmonioso, devido às potencialidades econômicas e culturais que o ambiente natural lhe proporciona desde os primórdios da sua ocupação.

 

Fontes:

Wikipédia
Subprefeitura da Zona Oeste

Riotur